Textos pessoais

Um texto pessoal demais para não ser compartilhado

Aviso: o texto abaixo pode conter gatilhos.

Há algumas semanas descobri que algo do meu passado “não foi embora”. Pelo contrário, esteve sempre presente e me atacou de outras formas que eu sequer podia imaginar ser possível. Não foram dias fáceis, não foi fácil de lidar com essa descoberta e tive diversos ataques de ansiedade e de choro e minha energia parece ter acabado, mal consigo levantar da cama e passo o dia todo em um estado de sono constante tentando absorver, entender e acima de tudo aceitar essa “nova”realidade.

A ansiedade sozinha já era exaustiva de lidar e receber o diagnóstico de distúrbio alimentar me paralisou um pouco, especialmente por ser algo que consome tanto de mim.

Essa foi a primeira vez desde minha adolescência que percebi realmente como ele me domina e como minha vida gira ao redor dele. Eu passo praticamente todo o tempo pensando em comida: o que quero comer, o que vou comer, o que me arrependi de ter comido e me castigando mentalmente de forma constante por fazê-lo.

Sempre descrevem os distúrbios alimentares como “pessoas”. Basta ler qualquer matéria para sempre haver a descrição de “alguém”. Mas nunca, jamais uma “amiga” como tendem a generalizar. Na realidade, a anorexia é alguém que está sempre na sua cabeça, julgando e sim, às vezes até ajudando, mas no pior contexto da palavra, porque na realidade ela ajuda lembrando como eu sou capaz de ficar horas sem me alimentar e incentivar a fazê-lo, a mostrar minha força. Ela também me julga quando eu falho e me faz me olhar com desprezo ao perceber o que me tornei, que quebrei a promessa de nunca pesar mais de 50kg que fiz há tanto tempo..

Ela me faz me olhar no espelho e não conseguir me ver realmente, me faz odiar tudo que vejo refletido ali. Me faz tentar me comparar pessoas ao meu redor ou que cruzo pela rua e a me perguntar “será que eu sou assim?” simplesmente porque não tenho noção de como sou/estou fisicamente. Sempre me vejo da mesma forma, de uma forma que não me deixa feliz. Não, eu não me vejo de forma exagerada, mas não consigo saber se engordei ou emagreci e acima de tudo, nunca estou satisfeita com o que enxergo.

A anorexia me faz olhar para fotos antigas e pensar “wow, eu até que estava magra nessa época”, mas também me faz procurar qualquer sinal de gordura e claro que encontro, porque era um corpo normal, mas não era o corpo que eu desejava. Eu me olho e ainda penso que poderia sim estar mais magra e se estou de biquíni, me pergunto como tive coragem de sair daquele jeito… a única foto na qual não encontro defeito e tenho até certo orgulho é a foto que descobri que estou com aparência doente.

Sabe minha promessa maluca? Por conta dela eu sofro todo dia. Por causa dela e do meu distúrbio alimentar, quando recebi o diagnóstico há pouco tempo, me senti mal e envergonhada. Envergonhada porque eu estou acima do peso atualmente e por pensar que não deveria ser assim. Minha mente doentia diz que isso não é justo. Não é justo eu comer, eu não ser magra — pelo contrário, escuto como estou acima do peso todo dia. Por conta dela, me dei conta que nunca tive um relacionamento saudável com a comida. Simplesmente não consigo pensar em um único momento que me alimentar não fosse relacionado a culpa ou a obrigação e desgosto.

Aquela “pessoa” a qual as matérias sobre o assunto sempre se referem, que está sempre ali, que algumas pessoas tratam como uma “amiga” não é uma pessoa, não e uma entidade, sou apenas eu e minha mente com um problema que toma conta de tudo e me deixa sem noção das coisas ao meu redor, apenas do sentimento de culpa, medo e ser consumida por eles.

Descobrir — ou apenas ter trazido algo que sempre soube para o meu consciente — que sou/estou doente e que nunca fui “normal”, que sempre travei essa batalha interna é assustador demais. Eu não sei como será daqui para frente, eu sequer posso dizer o que sinto em relação a tudo, apenas que minha cabeça está um turbilhão e que eu estou lidando com tudo um dia de cada vez e com a ajuda necessária.

Eu não estou sozinha e se você estiver passando pelo mesmo, tenho certeza que também não está. E existem pessoas que passam pelo mesmo e te entendem. Eu te entendo. ❤

Um comentário em “Um texto pessoal demais para não ser compartilhado

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s