Diário de Escrita

Diário de escrita #2

Sabe o que dizem sobre precisarmos ir atrás das coisas que queremos para que elas aconteçam? Então. A mais pura verdade.

Passei muito tempo usando a desculpa de que iria escrever quando a inspiração batesse e apenas quando ela batesse. Que eu só funcionava se a escrita viesse de forma natural e que sentar a bunda na cadeira e me forçar a trabalhar não iria dar resultado nenhum. Porque foi só eu tomar vergonha na cara e decidir me organizar para voltar a escrever, não continuando o livro porque eu já havia tentado antes e nunca iria conseguir sair do lugar (como falei na entrada anterior, que você pode ler clicando aqui 😉 ), mas concentrando em tudo que queria fazer com a história e tentando organizar na minha mente.

Mexendo nas minhas pesquisas e entrando em contato com as ideias antigas que tudo começou a fluir e a cada dia que passa, mais eu sinto que estou pronta para enfim sentar e escrever o livro! Porque agora, depois de pensar nas minhas ideias e organiza-las e testar os caminhos, eu finalmente sei para onde eu quero ir com a trilogia. Se antes, eu não sabia o que iria acontecer direito, hoje eu tenho o primeiro esboço do último capítulo do último livro. O que é simplesmente sensacional, já que fazia muito tempo que eu sequer conseguia dar um passo para frente com a história que comecei em DRAPS.DRAPS#2 vai ser muito diferente do que eu comecei a escrever. Muito do que já foi para o papel vai mudar e eu vou seguir um outro caminho porque, de repente, os planos que eu havia feito desde que comecei o primeiro rascunho de DRAPS#1 simplesmente mudaram. Personagens novos serão apresentados, personagens antigos vão passar por coisas que eu não tinha nem cogitado antes, mas que agora parece enfim se encaixar na história que eu queria contar de maneira perfeita. De certa forma eu sinto como se ela tomasse vida própria independente de mim, isso faz algum sentido?Forçando a encarar o que escrevi e a escrita em si de frente, eu redescobri como amo escrever e o motivo de ter começado a fazê-lo em primeiro lugar. Mas para conseguir, eu tive que voltar a escrever por mim. Porque com DRAPS#1 sendo lançado em breve, a pressão que coloquei em mim é gigante. Logo a minha história poderá ser acessada por qualquer pessoa e com isso, eu estava (e ainda estou) muito nervosa com o que vão pensar, se vão gostar, se vão apontar meus clichês e chamá-los de entediantes. A sensação com o lançamento de DRAPS é como se, se ele for ruim, se as pessoas odiarem, o meu maior sonho, que tenho praticamente a vida toda será esmagado e que sem a escrita, eu não sou ninguém.O pensamento de ninguém gostar, de ninguém ler, de ser um fracasso praticamente me dominou por completo. A ponto de me fazer esquecer que eu não escrevo pelos outros, mas sim por mim. Claro, eu quero que as pessoas leiam DRAPS e quero que as pessoas gostem do livro, eu seria a maior mentirosa do mundo se dissesse que eu não quero isso, mas também não posso mais deixar esse desejo me dominar e fazer eu pensar que o que eu produzo é apenas para os outros.Então, me “forçar” a encarar DRAPS#2 de frente e todas as minhas ideias me lembrou que em primeiro lugar, eu amo escrever e amo meus personagens e quero contar a história deles. Estou feliz escrevendo e planejando, o que não sentia há muito tempo. A pressão ainda está ali, eu ainda penso no meu medo de ver o meu sonho esmagado porque não sou boa o suficiente, mas ele não me paralisa tanto assim mais.

Como resultado, eu voltei a me empolgar com meus personagens e de dar vida a eles. Do jeito que estava, sinto uma enorme vitória em conseguir ir em frente com planejamento de plot, histórias paralelas, criação do “meu universo” e claro, algumas cenas aqui e ali. Por um lado, sinto que ainda não estou pronta para encarar o livro de frente, por outro, eu não sei se algum dia vou me sentir assim realmente. Só espero ser capaz de fazê-lo logo, já que estou super animada com as ideias e gostando do caminho que elas estão me levando.O que eu aprendi nessa segunda semana seguindo uma rotina “séria” de tentar escrever todos os dias: o cérebro é um músculo que precisa ser exercitado, então, mesmo quando num bloqueio, se força-lo a trabalhar, resultados vão aparecer. Talvez com ideias pequenas, talvez não exatamente o que estava planejando, mas focá-lo no trabalho ajuda a sair do lugar sim! ❤

Um pequeno desabafo em relação ao TRS: o diário de escrita é uma maneira de eu conseguir colocar para fora tudo que sinto em relação ao progresso de DRAPS#2. Eu decidi dividir com vocês e transformar em uma série de post no blog, mas eu preciso saber se vocês estão gostando ou não. Porque se não, se for um saco ler ou completamente irrelevante, eu posso continuar fazendo no privado. Por isso, por favor, comentem se gostam ou não desse tipo de post, se querem que eu pare ou se devo continuar.Muitas vezes, a gente fica desanimada quando não temos nenhum tipo de resposta em relação ao que estamos produzindo aqui no blog. Sei que muita gente lê e tem vergonha de comentar (já recebi muitas inbox super fofas no Instagram falando isso), mas se for o caso, falem com a gente por lá ou qualquer. Eu e a Renata sempre comentamos como é importante ter um feedback de vocês, não só para sabermos se estamos produzindo um conteúdo que agrade, mas também porque dessa forma dá vontade pra gente continuar. A gente ama o blog, mas também precisamos de estímulo para continuar. Então, deixo aqui o nosso pedido: se você gosta do TRS, por favor comente sobre os posts, se estão lendo-os, se ignoram para gente saber se continua ou não produzindo certos conteúdos.

Obrigada por ter lido até aqui! ❤

3 comentários em “Diário de escrita #2

  1. Eu amo o blog e os posts sobre o diário de escrita. Me identifico com muito do que você fala e também me sinto estimulada a pegar meus rascunhos de história e tentar desenvolvê-las! Parabéns pelo blog 🙂

    Curtir

  2. Eu AMO o diário de escrita e estou ansiosa pelo próximo. Não sou escritora, mas me identifiquei muito com sua insegurança em relação as pessoas não gostarem.
    Me ajudou porque também fico insegura em relação a minha profissão (odontologia, que não tem nada a ver com ser escritora rsrs), mas toda vez que tiver insegura vou pensar: isso é por mim.
    Muito obrigada 😙 amo o blog.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s