Claudia Gray · Nível de inglês Básico · Nível de inglês Intermediário · Resenha

Resenha: Defy the Stars, Claudia Gray

Ela é uma soldada.
Noemi Vidal tem 17 anos e jurou proteger Genesis, o planeta onde nasceu e vive. Ela está disposta a arriscar tudo, incluindo a própria vida. Para os inimigos na Terra, ela é uma rebelde.
Ele é uma máquina.
Abandonado no espaço e completamente sozinho, Abel tem uma programação avançada que começou a desenvolver. Ele só quer proteger o quem o criou e ser livre. Para as pessoas em Genesis, ele é uma abominação.
Noemi e Abel são inimigos em uma guerra interestelar forçados pelo acaso a trabalhar juntos enquanto embarcam em uma missão arriscada através das estrelas. A iniciativa deles poderia acabar de vez com a batalha, mas não seu sacrifícios. Os riscos são ainda mais altos quando eles começam a perceber que quanto mais tempo passam juntos, mais acabam questionando se tudo o que foram ensinados é verdadeiro.

Skoob | Goodreads

Claudia Gray é autora da trilogia Firebird (publicada aqui pela editora Agir) e eu li o primeiro livro e adorei, assim como também fiquei bem interessada em ler Constellation, que começou com Defy The Stars (DTS) e foi lançado recentemente (sem previsão para a tradução) e posso dar spoiler que simplesmente adorei e mal espero para ler o segundo volume (que só saí ano que vem).

O livro é narrado em terceira pessoa e tem o pov do Abel e da Noemi e a construção tanto do universo de DTS quanto dos dois personagens principais foi muito bem feita. Especialmente o Abel, que é possível vê-lo ganhando uma humanidade conforme a história avança de forma que soa natural e sem forçar muito a barra. Apesar de extremamente inteligente (afinal, ele é um androide), ele também é, de certa forma, muito inocente e algumas atitudes e reações dele não só são extremamente interessantes, como também servem para um alívio cômico.

A Noemi é uma personagem extremamente interessante, especialmente seu desejo de ajudar e salvar o planeta, assim como também de ajudar todo mundo que eles encontram pelo caminho e que precisa também. Ela é realmente uma heroína e está tão disposta em transformar o universo em um lugar melhor que aceita morrer por isso sem nem questionar duas vezes.

O livro tem romance sim e ele é muito bem construído. Cresce de forma lenta e está ali não só para a gente shippar o casal (e eu shippo forte, hehe), como também para jogar um certo questionamento do que transforma alguém em humano, que é basicamente uma grande questão central da história. Especialmente da maneira que Noemi foi construída. Minha única reclamação em relação a esse ponto é que vou confessar que caberia sim um espaço maior para a interação romântica (haha) dos dois personagens.

Há também diversos personagens principais que aparecem durante a história, mas infelizmente, falar sobre a importância de cada um deles aqui seria spoiler. Porque eles aparecem em momentos determinantes e posso adiantar que não estarão ali apenas de enfeite. O que é ótimo!

O ponto fraco de DTS foram diversas resoluções para problemas grandes apresentados no decorrer da história. Tudo praticamente é resolvido por meio de coincidências ou de personagens que aparecem para ajudá-los quando as coisas vão mal. Uma ou duas coincidências assim não tem problema, mas infelizmente praticamente todas as resoluções foram feitas dessa forma.

Defy the Stars abre uma série de forma empolgante e com personagens que são fáceis de se gostar. A gente passa a torcer pelo Abel e pela Noemi quase que imediatamente e a maneira que ambos se desenvolvem como casal e separadamente é realmente interessante de se ver, especialmente com todo o questionamento sobre humanidade, “alma” e o que nos torna realmente humanos por trás de cada atitude e gesto de ambos.
O livro, apesar de ter o grande problema central resolvido de forma satisfatória, deixa ganchos interessantes para serem explorados no próximo volume, que eu mal posso esperar para ler!Se você gosta de ficção científica que envolva espaço, robôs, guerras e outros planetas, Defy The Stars com certeza é uma ótima pedida!

Um comentário em “Resenha: Defy the Stars, Claudia Gray

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s