Dica de livro · Nível de inglês Básico

The Illuminae Files: espaço, aliens assassinos, hackers, AI, plot-twists e tudo que há de bom

picmonkey-collage

Illuminae 

De a manhã, Kady pensou que terminar com Ezra era a coisa mais difícil que teria que fazer.
Durante a tarde, seu planeta foi invadido.
O ano é 2575 e duas megacorporações rivais estão em guerra por um pequeno planeta que é um pouco mais de uma partícula coberta por gelo na borda do universo. Pena que ninguém pensou em avisar as pessoas que vivem nele sobre a guerra. Com a chuva de fogo inimigo sobre eles, Kady e Ezra – que mal estão se falando – são forçados a lutar para conseguir um caminho para as frotas de evacuação ao mesmo tempo em que uma nave inimiga os está perseguindo.
Mas os seus problemas estão apenas começando. Uma praga mortal foi deixada escapar e está mutando com resultados terríveis: a frota de AI que deveria estar protegendo-os, pode ser na realidade o inimigo e ninguém no comando diz o que está acontecendo realmente. Enquanto Kady hackeia em um emaranhado de dados para descobrir a verdade, fica claro que a única pessoa que pode ajudar a esclarecer tudo é o ex-namorado que ela jurou nunca mais falar.
Narrado através de um fascinante dossiê de documentos hacekados – incluindo emails, diagramas esquemáticos, mensagens instantâneas, relatórios médicos, entrevistas e muito mais -, Illuminae é o primeiro livro de uma trilogia sobre vidas interrompidas, o preço da verdade e a coragem de heróis do cotidiano.

Gemina

Mudar para uma estação espacial no fim da galáxia significava a morte da vida social de Hanna. Mas ninguém avisou que ela poderia ser literalmente morta.
A saga sci-fi que começou com Illuminae continua a bordo da Jump Station Heimdall, onde dois novos personagens vai confrontar novas ameaças causadas pelos mesmos responsáveis no livro anterior.
Hanna é a filha do capitão da estação, Nik o relutante membro de uma notória família de criminosos. Mas enquanto o par se esforça para lidar com a realidade da vida a bordo da estação espacial mais entediante da galáxia, pouco eles sabem que Kady Grant e a Hypatia estão com o rumo direto até Heimdall com notícias da invasão a Kerenza.
Quando uma equipe de elite invade a estação, Hanna e Nik são obrigados a defender seu lar juntos. Mas predadores aliens estão escolhendo os moradores da estação um por um, e um mal funcionamento no buraco de minhoca significa que o espaço-tempo continuo pode ser dividido em dois antes do jantar. Logo, Hanna e Nick não estão lutando apenas para sobreviver, o destino de todos abordo da Hypatia — e possivelmente todo o universo conhecido — estão em suas mãos.
Mas relaxa, eles têm tudo sobre controle. Ao menos é o que esperam.

Hoje vim indicar uma das minhas trilogias favoritas da atualidade: The Illuminae Files. Os dois primeiros livros, Illuminae e Gemina já foram lançados e no fim desse ano sai a conclusão! Eles foram co-escritos pela Amy Kauffman (autora de Quando as Estrelas Caem) e Jay Kristoff (autor de Nevernight, sem nenhum título traduzido ainda) e gente, esses livros são tudo de bom! 

The Illuminae Files tornou-se rapidamente um dos meus sci-fi mais amados! Não só porque eles têm as capas mais lindas e diferentes atualmente, ou porque seu formato é totalmente diferente, mas sim porque eles prendem do começo ao fim e seus personagens são extremamente cativantes! E olha que eu nem gosto muito de livros cujo formato se assemelham ao dessa trilogia (aliás, normalmente eu nunca consigo me prender de verdade neles), mas isso não acontece aqui nem um pouco, eu simplesmente amo The Illuminae Files e estou pirando pra chegar o fim do ano logo e eu poder finalmente ler o desfecho dessa história — infelizmente não tenho nenhuma previsão ou informação sobre o possível lançamento desses livros em português, mas o inglês deles é super tranquilo para quem quiser arriscar e a livraria Saraiva têm os dois livros para vender na seção de pocket books, mas ultimamente só os tenho visto em paperback (capa mole).

Mas as sinopses vocês já têm, assim como também o fato deles serem meus livros favoritos no gênero sci-fi, por isso decidi trazer pra vocês a tradução parte de uma entrevista com os dois autores publicada no site da Random House. Ela está super comprida, por isso escolhi descartar algumas questões, mas se vocês quiserem ler inteira (em inglês), é só clicar aqui! ❤ Lembrando que eu deixei de lado algumas das perguntas que continham spoilers do primeiro livro!

Como a ideia do livro surgiu? Qual foi a inspiração de vocês? Houve algum evento, circustância ou algo em particular que os levaram a escrever o primeiro livro juntos?

Jay: A Amie teve um sonho em que nós escrevíamos um livro juntos (ela não lembra sobre ele era) e nesse sonho, o livro foi escrito através de emails. Quando ela me contou, soou como uma ideia louca que poderia dar certo. Eu tenho um background em design e estive brincando com a ideia de um formato diferente de livro por um tempo e o sonho dela soou como os primeiros passos para criar algo insanamente diferente.
Amie: Em termos de conteúdo, nós desenhamos uma grande variedade de influências as quais crescemos. Desde Battlestar Galactica, passando por Firefly e Clarke e Asimov até chegarmos em uma lista de nossos filmes de ação favoritos. Nós fomos motivados pela chance de apresentar essas ideias e temas para uma nova gerações de leitores e continuar a tradição a qual nos inspirou. E enquanto criávamos tudo, queríamos desafiar a ideia convencional de como um livro deveria ser. Fácil, né? Né?

Por favor, descreva o maior desafio que vocês enfrentaram enquanto escreviam esse livro — por que foi difícil e como resolveram.
Jay: Eram muitos desafios. Nós levamos dois anos e meio para organizar tudo. Os elementos de design eram um grande desafio — em um livro normal, você termina sua cópia, edita e está tudo pronto. Com Illuminae tivemos um outro nível de produção e como eu costumava ser um diretor de arte e sou extremamente controlador (ele diz isso meio que brincando), eu estive envolvido até nas coisas pequenas. Tenho certeza que nosso time de design queriam me matar no final de tudo (ele diz isso, de novo, meio que brincando). Mas nós tivemos uma equipe excelente trabalhando nesse livro e todo mundo fez seu melhor trabalho, então é possível ver todo o amor em cada página.
Amie: Outro desafio foi fazer com que a narrativa contasse uma história forte sem precisar de nenhum outro formato. Embora você não possa separar a história da maneira que ela foi contada em Illuminae, nós queríamos ter certeza que os personagens tivessem profundidade, que nossos plot twists e reviravoltas surpreendessem e que tivesse drama e suspiros como espera-se acontecer em qualquer livro que você ama. Nós queríamos que a história fosse boa o suficiente de forma que mesmo se fosse escrita da forma convencional, os leitores a amassem — e nós queríamos também que ela se moldasse ao formato alternativo que nós escolhemos. Então isso significou olharmos atentamente para cada arco de personagem, cada detalhe do plot e moldá-los da maneira que nós queríamos.

Quanta e que tipo de pesquisa foi necessária para escrever esse livro?
Jay: Muuuita. A ideia sobre espaço que a maioria das pessoas têm vêm de Hollywood e Hollywood tem a tendência de ignorar a ciência em prol de um bom espetáculo. Então nós tivemos um colega astrofísico olhando o primeiro rascunho e ela nos devolveu vinte e cinco páginas de notas falando sobre como o espaço funciona realmente. Nós tivemos outro amigo que ficou de olho em como Kady hackeava as coisas para ter certeza que ficasse realista. Nós consultamos médicos, policiais e psiquiatras (para o livro e não para nós mesmos). Então, mesmo sendo um livro de ficção científica, a ciência dele é 100% real.
Amie: E uma coisa legal sobre toda a pesquisa é que às vezes os especialistas acabam mostrando maneiras de tornar a história ainda mais interessante. Você conversa com um médico que diz “hey, então essa doença que vocês inventaram afetaria essa parte do cérebro, mas vocês sabiam que essa outra parte está bem ao lado? Então, eu estava pensando e se…”

Algumas palavras de sabedoria ou dica para aspirantes a escritores?
Jay: Acredite em si mesmo. Esse mundo é cheio de pessoas que vão dizer que você não pode fazer algo, que não vai conseguir e que nem deveria tentar. Não dê um segundo de atenção a essas pessoas. Deixe-as para lá com seus “nãos”. Ser um escritor é difícil e muitas vezes um caminho solitário, mas quando você alcança o final é só continuar andando. O próximo passo pode ser o perfeito.
Amie: Apenas continue a escrever. Não converse, não escreva em um blog, sonhe acordado ou twitters mais sobre escrever do que realmente fazê-lo. Tenha foco em colocar suas palavras no papel e não se compare aos outros, não se preocupe com o que os outros escrevem ou fazem. Continue escrevendo, continue acreditando e siga seu caminho. Parece simples, mas é mais fácil falar do que fazer.

Sério, essa trilogia é realmente incrível e sou completamente apaixonada por ela! Vocês já leram ou querem ler? Deixa sua opinião e pensamentos em relação pra mim nos comentários que vou adorar saber! ❤

ASSINATURAFLAVIA

Um comentário em “The Illuminae Files: espaço, aliens assassinos, hackers, AI, plot-twists e tudo que há de bom

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s